Programa Sábados Azuis mostra o processo de cultivo, extração e comercialização do palmito - TV Pernambuco

Notícias

Programa Sábados Azuis mostra o processo de cultivo, extração e comercialização do palmito

Existe um grande mercado consumidor de palmito no Brasil. Nas regiões sudeste e sul do país, é muito comum a extração do palmito de juçara. Essa extração traz danos à mata Atlântica, pois, para colher o palmito de Juçara, é necessário cortar a árvore. Sua reposição é economicamente inviável, já que a planta leva de oito a nove anos para crescer.

Uma alternativa à exploração extrativista do palmito juçara que vem sendo pesquisada por instituições como a Embrapa Florestas é o cultivo e extração do palmito oriundo da pupunha. A pupunheira é uma planta originária da Região Amazônica que produz frutos e palmito para consumo humano. Seu cultivo passou a ser estimulado na região sul do Brasil, desde meados da década de 90. Hoje, já é possível se perceber os benefícios ambientais e econômicos que o cultivo do palmito de pupunha trouxe para a região.

O episódio de Sábados Azuis: Histórias de um Brasil que dá certo, de sábado (10), às 21h, mostra como ocorre o processo de cultivo, extração e comercialização do palmito de pupunha na região litorânea de Santa Catarina.

O Sr. Vigando, pequeno produtor de 73 anos, foi um pioneiro no cultivo da pupunha na região sul. Ele cultivava bananas. Mas, há cerca de 10 anos, resolveu arriscar e mudou para o plantio de pupunha. Na época ele foi considerado “louco” pelos produtores locais. Hoje, o Sr. Vigando tem uma sólida agroindústria familiar.

Outro personagem é o Prof. Deodato, que tem uma propriedade administrada por seu genro, Paulo Virgílio. Deodato é engenheiro agrônomo e foi professor da Universidade do Paraná durante anos. Na década de 90, ele pesquisou a cultura da pupunha. Esteve na região de Registro (SP), onde já existiam plantações e fez análise das condições propícias para o cultivo. Estimulado pelo que viu e pesquisou, ele também investiu no plantio da pupunha. Hoje, sua propriedade tem cerca de 70 mil mudas.

Para falar sobre o aspecto científico do cultivo, o programa apresenta dois conhecedores do assunto: Álvaro Figueiredo, pesquisador da Embrapa Florestas, e Márcio Franchetti, engenheiro agrônomo e grande incentivador do plantio de pupunha. Ele tem um viveiro em Garuva (SC), onde planta mudas e faz pesquisas científicas da Bactris Gasipaes Kunth, a popularmente conhecida pupunheira.